prisão

Homem que vazou fotos da autópsia de Marília Mendonça e Gabriel Diniz é condenado à prisão

A Justiça do Distrito Federal condenou André Felipe de Souza Alves Pereira por vilipêndio a cadáver, divulgação do nazismo, xenofobia, racismo contra nordestinos, uso de documento público falso, atentado contra serviço de utilidade pública prejudicando funcionamento de escolas e incitação ao crime. André confessou ter vazado fotos da autópsia dos cantores Gabriel Diniz e Marília Mendonça, mortos em acidentes aéreos registrados, respectivamente, em 2019 e 2021.
Conforme sentença, André Felipe teve o objetivo de “humilhar e ultrajar” os artistas com o vazamento das fotos. Ao todo, ele foi condenado a 8 anos de reclusão e 2 anos e 3 meses de detenção, cujo regime inicial para cumprimento da pena é semiaberto.
Para o crime de vilipêndio a cadáver, André Felipe realizou “confissão expressa e espontânea”, confirmando ser o responsável pelos perfis no então Twitter, onde divulgou links que continham imagens dos cadáveres de Marília e Gabriel. A acusação também foi confirmada por um laudo pericial no celular dele.
Itatiaia

H

PM de Meio Ambiente suspende atividade de abate irregular de animais em Dom Cavati

 

O dono de um empreendimento de Dom Cavati foi preso em flagrante por crime ambiental e poderá responder por infrações sanitárias e desrespeito ao Código de Defesa do Consumidor. As irregularidades têm relação com o abate de bovinos. A multa aplicada ultrapassa R$ 220 mil.

 

A Polícia Militar de Meio Ambiente compareceu ao local requisitada pelo Ministério Público. Constatou-se o abate irregular de quatro bovinos sem a devida licença. Além disso, os animais estavam feridos e doentes, conforme avaliação em data anterior. Ao invés de serem sacrificados e descartados, a polícia considera que a carne poderia ser vendida a açougues da região por valor inferior ao de mercado. Quer dizer, a carne imprópria para consumo humano poderia chegar à mesa de várias pessoas.

 

 

 

 

De acordo com a PM de Meio Ambiente, verificou-se, ainda, o lançamento irregular de efluentes e resíduos dessa atividade em um canal que deságua no rio Caratinga.

 

 

 

 

A fiscalização municipal foi acionada e atestou que a carne estava imprópria para consumo. Em seguida, foi descartou o material no aterro sanitário. A perícia técnica da Polícia Civil também registrou as irregularidades.

 

O dono da carne foi encaminhado para a delegacia de Inhapim.

H